Cidadania

OAB-ES entrega doações para o projeto “Mãos que Produzem” da PSME II




A OAB-ES entregou na manhã desta quinta-feira (9/09) doações para o Projeto “Mãos que Produzem”, desenvolvido na Penitenciária de Segurança Média II (PSME II), em Viana, que recebe internos autodeclarados gays, lésbicas, travestis e transexuais (LGBTQI+).

O projeto consiste em produzir peças artesanais, utilizando o crochê como recurso. E com a doação feita pela Ordem, um grupo de 217 internos irão produzir “amigurumis”, que serão distribuídos durante a semana do Dia das Crianças (12/10), para crianças abrigadas em instituições carentes do Estado.

A Ordem foi representada pela advogada e membra titular do Conselho Penitenciário Estadual, Marcela Nunes; pelo presidente da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero, Sérgio Mafra; pela presidente da Comissão de Direitos Sociais, Mayara Nogueira; pela presidente da Comissão da Infância e Juventude, Vanessa Brasil e pela membra da Comissão de Direitos Humanos, Rosiene Barros da Rocha.

A advogada e membra do Conselho Penitenciário Estadual, Marcela Nunes, que organizou e coordenou a ação, explicou sobre o trabalho. “Em julho, fui oficiada pelo Diretor da Penitenciária de Segurança Média II solicitando apoio aos trabalhos e projetos desenvolvidos naquela Unidade Prisional. Após esse contato, me dirigi aos presidentes das Comissões de Direito Criminal e Políticas Penitenciárias, Direitos Sociais, Direitos Humanos e Direito de Diversidade Sexual e Gênero, que prontamente abraçaram a causa e decidiram apoiar o projeto “Mãos que Produzem", específico da unidade. A ressocialização tem o propósito de oferecer dignidade ao apenado e tratamento humanizado. E nossa contribuição como sociedade é auxiliar nesse tratamento. Trazer aconselhamentos e condições para que possam efetivar projetos que tragam proveito profissional é de suma importância”, explicou a advogada.

Os representantes da OAB que também estiveram presentes na entrega das doações apoiaram o projeto e falaram sobre a iniciativa: “Participar da entrega de materiais para detentos produzirem bonecas que serão entregues em Casas de Acolhimento de crianças da Grande Vitória é reafirmar a participação e colaboração da OAB-ES em todas as frentes de trabalho, cumprindo as finalidades institucionais. É ter o sentimento de utilidade das Comissões, pois a advocacia não trabalha só para si, trabalha com o intuito de transformar a sociedade”, disse a presidente da Comissão da Infância e Juventude, Vanessa Brasil.

“A visita foi fantástica. O diretor Dantas tem uma visão do sistema muito boa e tenta adequar, corretamente, a punibilidade com a educação ou reeducação. Com a doação dos insumos pela OAB-ES, inicialmente organizada pela Dra. Marcela Nunes e com o Dr. Dantas, as outras Comissões envolvidas puderam conhecer o sistema prisional e verificar que o mesmo pode funcionar quando se têm pessoas que fazem a diferença”, afirmou o presidente da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero, Sérgio Mafra.

“A Comissão de Direitos Sociais atendeu ao chamado da Dra. Marcela e se movimentou para que esse projeto fosse possível. O trabalho nessas linhas para que essas bonecas sejam feitas garante que os detentos da Média II tenham acesso ao trabalho e, sobretudo, a uma forma de trabalho manual que também tem função terapêutica. As bonecas que serão doadas para crianças abrigadas vão abraçar dois lados de pessoas vulneráveis, tanto a população carcerária, quanto crianças que por algum motivo sofreram abandono. Ser ponte em projetos assim é a razão de ser da Comissão de Direitos Sociais”, disse a presidente da Comissão de Direitos Sociais, Mayara Nogueira.

“A importância de projetos como esse se torna ainda mais evidente quando temos a oportunidade de ouvir dos próprios custodiados sobre como ocorre a criação e execução artesanal, sendo possível identificar ali o brilho no olhar, a esperança na voz e o sentimento de reconhecimento”, ressaltou a membra da Comissão de Direitos Humanos, Rosiene Barros da Rocha.

O diretor da PSME II, Dantas Campostrini Vieira, falou sobre o apoio da OAB neste projeto. “A parceria visa oportunizar que os internos e internas tenham a possibilidade de darem continuidade ao projeto terapêutico que visa reduzir os danos que o cárcere e a prisão geram. Sem contar que além de possibilitar melhorar o relacionamento interpessoal, diminuir o uso de remédios e a ansiedade, gerar ocupação e novas aprendizagens e empoderá-los (as) para que ao sair da unidade, possam fazer escolhas assertivas de vida e ainda terem condições de aferir sustento e condições dignas de vida. A parceria com a OAB ainda é valiosa, pois o resultado será maior, visto que além dos internos e internas participantes, as crianças que receberão os brinquedos poderão ter uma alegria e motivo para sorrir”, disse Dantas.

O diretor comentou ainda sobre a parceria com as Comissões da OAB. “Despertando naqueles que participam, uma reflexão do bem ao próximo, do cuidado e do pertencimento, pois ao ser inseridos em projetos e ações como este, conseguimos melhorar a disciplina, os relacionamentos, o ambiente favorecendo um ambiente mais humanizado para todos que aqui se encontram. Certamente, todos os envolvidos saem ganhando. E para nós, da unidade prisional, contar com a parceria da OAB e destas Comissões, muito nos motiva a criar novos desafios para termos mais e mais pessoas beneficiadas”, disse.
keyboard_arrow_up