Ricardo Brum fala sobre os desafios da advocacia em Encontro da Jovem Advocacia

Na manhã desta sexta (22) os estudos começaram com as palavras do secretário-geral da OAB-ES, Ricardo Brum, que declarou sua emoção ao falar para os jovens advogados. “Fazer essa palestra me dá muito prazer”, afirmou.

Ricardo Brum iniciou sua palestra com uma reflexão sobre as dificuldades enfrentadas na advocacia. “Nós olhamos para o horizonte e vemos muitas dificuldades. A advocacia é uma profissão que tem passado por muitas transformações. Nós que somos mais velhos não tínhamos pesquisa de jurisprudência pela internet. Quando meu pai me ensinou a primeira petição lembro de ele pegar um tema, achar no repertório de jurisprudência e íamos olhar em material impresso cada jurisprudência. Esse fato deve ter 20 anos. Hoje procurar jurisprudência no papel é algo impensável. ”

O secretário-geral lembrou que agora a Ordem implanta nas Subseções a Biblioteca Digital, com o acervo de obras jurídicas publicadas pela editoria Revista dos Tribunais, onde o advogado pode buscar facilmente o texto que quer. “Assim percebemos que o nível de evolução que temos tido é absolutamente notável. Isso gera um tremendo desconforto porque não consigo olhar para esse horizonte e entender o que está por vir. Eu sei que existem desafios e dificuldades e temos que saber que o desafio é algo que podemos ver como obstáculo e a partir disso enxergar as dificuldades e problemas, ou é algo que me faz ter mais motivação. Todas as vezes que somos desafiados saímos da zona de conforto”, explicou.

Ricardo Brum tratou ao longo de sua exposição de cinco desafios para a advocacia nos próximos anos, segundo ele, que são: concorrência; tecnologia; justiça falida, que não atende aos anseios de ninguém; desafio da técnica e o que ele considera mais difícil que o jovem advogado vai enfrentar que é o tempo.

Caminhada por outra vertente, a palestrante Roberta Boldrin fez uma envolvente exposição sobre a atuação do advogado no cenário internacional. A advogada lançou um desafio aos participantes de interação entre áreas, de estudo internacional e de aprimoramento de competências.  


“Passamos por uma série de lesões em todas as áreas dos direitos humanos, do direito internacional sem que o advogado brasileiro tenha conhecimento, pois está muito ocupado co outras obrigações. Mas o exercício da advocacia é maior que tudo isso, é importante que a gente estude absolutamente tudo, que tenhamos contato com profissionais de outras áreas, que tenhamos respeito aos magistrados, defensores, promotores, mas que saibamos que o advogado consegue andar por todas as cortes, órgãos, organismos nacionais e internacionais. O advogado brasileiro tem que saber se colocar diante de um organismo internacional”, explicou Roberta Boldrin.

Veja a mensagem final da palestrante



Já em outro tema, tratando de gestão de carreira em mercados competitivos a psicóloga e coach, Giselia Curry, frisou que “o mais importante em um cenário tão competitivo é aceitar mudanças e se adaptar, sempre buscar o melhor na sua profissão e investir nisso para não ficar ultrapassado com a velocidade dessas mudanças. Mas também importante é fazer um bom planejamento, saber o que quer, qual sua missão e planejar sua carreira para que tenha sucesso”, pontuou.


As palestras continuam na tarde durante a tarde.

Galeria de Fotos

keyboard_arrow_up