Presidente da Ordem fala do poder da Jovem Advocacia e da atuação da Ordem durante II Encontro

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Espírito Santo (OAB-ES), Homero Junger Mafra, fez a abertura oficial do II Encontro da Jovem Advocacia Capixaba na noite desta quinta-feira (21), em Vitória, com um emocionante discurso. “Nós somos feitos para enfrentar o desafio e a voz da opinião pública não nos intimida. Quero dizer que antes de ser presidente da Ordem, eu sou advogado, sou a defesa, sou a voz da cidadania”, afirmou.

Homero Mafra falou também sobre o poder da Jovem Advocacia que na atual gestão tem voz e tem vez. “A presidência da CEAIC com Natálya muda a cara da Comissão da Jovem Advocacia, porque passamos a conversar em nível de igualdade. Sabemos que a Natálya cria essa forma de relacionamento, traz a voz da Jovem Advocacia para dentro da Ordem, olhando para nós e dizendo seus pleitos. Lembro que Natálya me cobra sobre os dativos. Sabemos dos desatinos na nomeação de dativos, sabemos que tem juízes que privilegiam alguns em detrimento de outros e tenho certeza que vamos alcançar muito breve a regulamentação dos dativos. ”

Sobre a situação da BR 101, o presidente frisou que a “OAB-ES vai continuar apontando os desacertos dos governantes, pois a Seccional não tem o compromisso com os governos e sim com a sociedade civil, por isso a Ordem pode se opor tão fortemente aos desatinos da Eco 101. A Ordem foi a primeira a apontar os equívocos da Eco. Nós fomos os que tivemos a voz de dizer que não poderia continuar como está. ”

Ainda em seu pronunciamento, Homero Mafra falou a respeito da atuação da Ordem contra a revista de bolsas no Tribunal. “Aquele estado de polícia que o Tribunal quer implantar, situação absurda de revista de bolsas, como se o Tribunal não fosse a casa do povo, como se tivessem medo do povo. O Judiciário se transforma em uma elite de costas para o povo, que só pensa nele. Por isso a Ordem está no CNJ contra essa posição. Não podemos aceitar. Nós podemos perder no CNJ, mas vamos levar o clamor da advocacia capixaba. ”

A precária prestação jurisdicional em Primeiro Grau com a falta de juízes nas comarcas do interior também foi criticada mais uma vez pelo presidente, que ao final da sua fala enfatizou seu amor pela advocacia. “É muito bom ser a voz do cidadão. ”


Presidente da Comissão Estadual da Advocacia em Início de Carreira, Natálya Assunção, iniciou seu discurso pedindo uma atenção especial aos advogados e advogadas que honram o juramento que fizeram e defendem a Constituição, a Ordem jurídica do Estado Democrático e a boa aplicação das leis. “Mesmo diante de casos impopulares já julgados pela mídia, nós advogados temos o compromisso de garantir ao cidadão a defesa técnica que todo cidadão faz jus. Nós advogados não somos os réus do processo. Não podemos ser confundidos. E independente do cargo voluntário que exercemos na OAB, não deixamos de exercer nossa advocacia diária. Nós devemos prezar pela aplicação e respeito ao nosso julgamento e o nosso presidente o faz desde 1981. ”

É preciso dizer que a CEAIC trabalha para contribuir com a jovem advocacia com palestra e cursos práticos, pois não basta mais o advogado conhecer das leis, se o advogado não conhece o PJe está fadado ao insucesso.

“Hoje precisamos não só brigar por nossas prerrogativas, mas também por nossos honorários. E aí não posso esquecer das mais de 20 palestras do secretário-geral da Ordem sobre precificação. Em todas as palestras eu aprendo. Mas preciso dizer que precisamos estar unidos, juntos para evitar os aviltamentos. Por isso vamos juntos porque assim conseguimos construir muito mais.”

Ao final dos discursos o presidente Homero Mafra pediu a todos que ficassem de pé para aplaudir os dirigentes das Comissões da Jovem Advocacia das Subseções (CAICs). 

O secretário-geral da Ordem, Ricardo Brum, e a secretária-geral adjunta, Érica Neves, também estiverem presentes ao evento, além do presidente da CAAES, Carlos Augusto Alledi de Carvalho e do presidente da Subseção de Cachoeiro de Itapemirim e coordenador do Colégio de Presidentes da OAB-ES, Robson Louzada, que compuseram a mesa de abertura, juntamente com os presidentes das CAICs. 

Depois da abertura teve início as palestras da advogada Lara Selem, do Paraná, e do advogado Darlan Barroso, de São Paulo.   

keyboard_arrow_up