"É preciso ter coragem para escolher o risco de ser advogado", diz secretário geral da OAB-ES durante entrega de carteiras a novos advogados e advogadas

"A advocacia é a profissão permeada pela coragem, todos os dias. É preciso ter coragem para escolher um caminho que nem sempre é o mais fácil ou o mais simples. É  preciso ter coragem para escolher o risco de ser advogado. Mas tenho a certeza plena que nada lhes será mais prazeroso ou trará mais alegrias do que a advocacia". Foi com  essa declaração de amor à profissão que o secretário geral da  Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Espírito (OAB-ES), Ricardo Brum, deu as boas vindas aos novos advogados e advogadas, que receberam nesta terça-feira (27) a carteira da Ordem, em cerimônia no auditório da Seccional. 

Ricardo Brum fez questão de falar sobre a sua satisfação de participar da cerimônia, afirmando que entregar as carteiras aos novos profissionais é uma das funções mais gratifiantes que experimentou na OAB-ES ao longo dos últimos dois anos. "Ter a oportunidade de vivenciar o sorriso e a emoção dos familiares  realmente me encanta. Sabemos que é um momento de celebração e de vitória, de uma conquista que exige sacrifícios não só dos advogados e advogadas, mas de toda a família", salientou. 

O secretário geral da Ordem ressaltou que os jovens advogados e advogadas entram na profissão em um momento difícil para a advocacia e para o País.  "Nós somos a casa de defesa da democracia.  E muitas vezes essa defesa é feita em posturas contramajoritárias. Foi o que fizemos há um ano e meio, quando defendemos que não deveria haver prisões após os julgamentos em segunda instância. Não há como interpretar a constituição de maneira diferente, que não seja que a prisão deve ser feita após o trânsito em julgado de todas as decisões. O Brasil vive hoje uma sanha punitiva, que faz com que princípios constitucionais, que nos são extremamente caros, sejam relegados a segundo plano",  disse. 

Ricardo Brum observou que esse entendimento não autoriza o Supremo Tribunal Federal (STF) a ter atitudes como as observadas na semana passada. "Supender o julgamento de Habeas Corpus porque um ou outro ministro precisa viajar é efetivamente fazer com que a democracia e a cidadania nesse país sejam colocadas em segundo plano. E isso nós não podemos aceitar", disse. 

O secretário geral lembrou, ainda, do adiamento no julgamento da constitucionalidade do auxílio-moradia recebido pelos magistrados. "A questão foi retirada de pauta por um possível acordo. Os juízes,  que deveriam ser os primeiros a querer finalizar essa questão e sedimentar o entendimento quanto à constitucionalidade ou não do auxilio, celebram o afastamento da discussão. O mínimo que podemos fazer enquanto Ordem é expressar a nossa frustração quanto à forma como as coisas estão sendo conduzidas. Temos esse papel, de lutar para que a constitucionalidade e a legalidade imperem no País", salientou. 

Cerimônia 

A entrega de carteiras aos novos advogados e advogadas teve como paraninfo o advogado Antônio Carlos Pimentel Melo, que lembrou que a advocacia tem dois compromissos fundamentais: a liberdade e a democracia.  "O advogado tem que ter coragem e foco para lutar. E nesse momento difícil para o País, que estamos vivendo, apelo aos jovens para que não se enganem com "heróis" que prometem resolver os problemas do Brasil sozinhos. Eles não o farão", alertou. 

O vice presidente da Comissão Estadual da Advocacia em Início de Carreira (CEAIC), Élcio Cardozo Miguel, chamou os jovens advogados e advogadas a participarem das reuniões da Comissão, que acontecem sempre na primeira quinta-feira do mês, e falou sobre os cursos e projetos desenvolvidos pela CEAIC. 

Estiveram também presentes na cerimônica o presidente da Subseção da Serra, Ítalo Scaramussa; os conselheiros da Subseção da Serra Mayara Borges Pereira e Rafael Moulaiz Carvalho; e os advogados Otávio Augusto Costa; Gleciney de Oliveira Brito; Thiciano Canal; Kaio Alves Ribeiro; e  Antônio Rodrigues de Castro.

Galeria de Fotos

keyboard_arrow_up