Discurso de Homero Mafra marcou XXIII Encontro Nacional da Advocacia

Homero Mafra emocionou advocacia com discurso na abertura da XXIII Conferência Nacional. Foto: Divulgação/CFOAB.
Homero Mafra emocionou advocacia com discurso na abertura da XXIII Conferência Nacional. Foto: Divulgação/CFOAB.

O discurso proferido pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Espírito Santo (OAB-ES), Homero Mafra, na solenidade de abertura da XXIII Conferência Nacional da Advocacia foi um dos pontos altos do maior encontro jurídico do mundo, que reúne ao todo mais de 20 mil advogados e advogadas.

Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Claudio Lamachia, classificou o discurso como magnífico. “É a fala de um homem de Ordem, de um dirigente comprometido com a advocacia, a cidadania e o Estado Democrático de Direito e nossa democracia”, declarou.

Para o presidente da OAB-SP, Marcos da Costa, o discurso marcou uma forte defesa da liberdade. "Foi firme, coeso e próprio de quem tem a advocacia no coração. Todos ficamos inspirados e cientes da nossa obrigação como advogados”, disse.

Já o presidente da seccional mineira da OAB, Antônio Fabrício de Matos Gonçalves, afirmou que o discurso retratou com precisão a conjuntura nacional. “Foi o exato tom como a advocacia deve caminhar para lutar contra todos os cerceamentos de liberdade por qual passamos”, avaliou.

Ricardo Breier, presidente da OAB-RS, destacou que o discurso foi uma síntese da valorização da advocacia. “Destacou a importância da advocacia nos dias difíceis que vivemos e pontuou, principalmente, a falta de estrutura do Judiciário. Foi a afirmação e a confirmação do papel da OAB ao lado da advocacia para garantir suas prerrogativas”, ressaltou.

De acordo com o presidente da OAB Pará, Alberto Campos, Homero Mafra é uma grande liderança para a advocacia. “Quando ele fala, fala por todos os presidentes de Seccionais. Uma das frases do discurso me marcou tanto que vou levar ela comigo: ‘não nos peçam silêncio, somos a advocacia’. Já tenho autorização dele para usar a frase”, contou.

Segundo o presidente da OAB Paraíba, Paulo Maia, o discurso teve o impacto que a Conferência pedia. “Ele é o coordenador do Colégio de Presidentes de Seccionais. A palavra dele é precisa e bem elabora. Toda advocacia se sentiu valorizada com o discurso”, acredita.

A presidente nacional da Comissão da Mulher Advogada, Eduarda Mourão, afirmou que o presidente Homero Mafra fez um chamamento para o respeito à democracia. "Não posso deixar de ressaltar as palavras firmes dele para apoiar as mulheres na OAB. Representamos 500 mil nesse país. É 48% dos inscritos. Precisamos ocupar mais espaço do Sistema OAB e o discurso de Homero Mafra atendeu a todos", disse.

Na avaliação do presidente da OAB-RJ, Felipe Santa Cruz, Homero Mafra honrou a condição de coordenador do Colégio Presidentes de Seccionais. "É uma posição delicada porque cada Estado tem uma realidade, mas Homero foi muito feliz e preciso na avaliação dele e na defesa do Estado Democrático de Direito. Na avaliação firme e forte da defesa dos advogados contra a violação de prerrogativas. Me senti verdadeiramente representado".

Presidente da OAB Pernambuco, Ronnie Preuss Duarte, Homero Mafra falou o que todos os presidentes gostariam de falar. "É um grande orador e naquele instante foi a voz da advocacia brasileira", declarou. 

Marco Aurélio de Lima Choy, presidente da OAB Amazonas, disse que o discurso de Homero Mafra foi do tamanho e da grandeza da advocacia brasileira. "Mostrou força e sem sombra de dúvidas foi um dos mais aplaudidos de todas as Conferências, mostrando a força da advocacia brasileira, mostrando o difícil momento que vivemos, mas destacando a força da advocacia", refletiu. 

Para o presidente da OAB Acre, Marcos Vinícius Rodrigues, a fala de Homero Mafra de impressionante felicidade. "Ele conseguiu verbalizar todo o sentimento da advocacia brasileira, com destaque para toda as causas em que a advocacia atua. Foi importante falar também sobre os problemas vividos pela sociedade, o difícil momento que o Brasil vive. Mas, acima de tudo, falou sobre como lidar com esses problemas. Queremos justiça, não justiçaria, fora da lei não há nada que não seja o autoritarismo", apontou. 

O que diz a advocacia

Os aplausos recebidos por Homero Mafra durante o discurso de abertura mostraram como as palavras proferidas afetaram a advocacia. Fernanda Gonçalves, advogada que atua no Rio Janeiro, disse que vai guardar para sempre o que ouviu em São Paulo. Já o advogado mineiro Sebastião Fernando revelou que não conseguiu conter a emoção.

“É preciso que alguém diga com todas as letras quais são as feridas abertas deste país. Convivemos com um Judiciário que não funciona, que não chega aos mais pobres, que não se empenha para melhorar a prestação jurisdicional. E acredito que o presidente Homero Mafra foi muito feliz e abordar todos esses temas com firmeza e clareza”, disse o advogado Sebastião Fernando.

Já a advogada capixaba Moema Baptista se disse muito orgulhosa por ouvir o discurso do presidente Homero Mafra. "Quando ouvi o presidente da minha Seccional fazer literalmente um discurso de advogado não escondi o orgulho", revelou. 

O advogado paulista Reinaldo de Jesus considerou a fala muito pontual para o momento que o país vive. "Homero está fazendo a diferança. Ele tem falado muito próximo da realidade. Não está tudo bem no nosso país e isso deve ficar claro", declarou. 

Também paulista, Paulo Mariante  entendeu o discurso de Homero Mafra como um ponto de equilibrio no olhar sobre os ataques a democracia. "Veja no ar uma fumaça antidemocrática. Nossas prerrogativas estão sendo atacadas e é importante alguém levantar a voz contra isso", avaliou. 

Atuando no Rio de Janeiro, o advogado José Ângelo Júnior considerou o discurso de Homero Mafra coerente com o momento por qual passa o país. "É a defesa das prerrogativas. Ele foi certeiro. Em 40 anos nunca me desrespeitaram, mas já vi colegas sofrerem", contou. 

VEJA O DISCURSO NA ÍNTEGRA


keyboard_arrow_up