A roupa certa faz toda a diferença para ter sucesso na carreira, ensina consultora

A primeira impressão é a que fica. Parece clichê, mas é verdade, como explica a advogada e consultora de imagem Fernanda Machado, que participou do bate papo "A Construção da Identidade Visual para a Advocacia", no auditório da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Espírito Santo (OAB-ES), na noite desta quinta-feira (1).

A palestra faz parte do projeto Conversando Com, promovido pela Comissão Estadual da Advocacia em Início de Carreira (CEAIC).  "A imagem que as pessoas têm de nós é formada em apenas 30 segundos", observa a consultora, explicando que, na formação  desta impressão, 55% vem do que a pessoa está vendo, 38% do nosso tom de voz e 7% do que falamos.

Ou seja, para passar uma mensagem com clareza não basta apenas falar bem - é preciso também apresentar uma imagem condizente com a ocasião. Ela ressalta que a preocupação com a apresentação é fundamental no mercado de trabalho, e pode ser determinante em uma entrevista de emprego, por exemplo. "O ideal é fazer uma pesquisa sobre a empresa antes, para verificar como se vestem e
se apresentam por lá", ressalta. 



A imagem, como ela observa, é fundamental para transmitir credibilidade. Fernanda aproveita para desfazer o mito de que advogadas têm que usar terninho. "A advocacia é uma profissão formal. Mas com criatividade dá para variar", observa,
destacando que para homens o leque de opções é mais restrito, o que não significa que eles não possam lançar mão da  criatividade.



Como tudo na vida, vale a regra do equilíbrio: a imagem não pode ser nem formal nem informal demais. E dá para  montar um guarda-roupa bacana sem prejudicar muito o orçamento? Ela garante que sim, basta saber combinar bem as peças. 

Regrinhas de ouro 

O dress code vai variar do ambiente de trabalho, portanto, cada um tem que achar o seu. Mas ela dá algumas dicas gerais, que valem para todo mundo. Para os homens, nada de sapatos abertos, calça jeans com rasgos, regata ou blusa de time de futebol no casual day do escritório. 

"Até porque pode aparecer um cliente", salienta. E, para as mulheres, a regra é tomar cuidado com o excesso de pele à mostra. "A mulher não tem que estar sexy no trabalho, mas sim bem vestida", ensina.
keyboard_arrow_up